quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Orientação eleitoral

Nestes últimos dias que antecedem as eleições, pululam perguntas de pessoas sobre em quem votar.
Peço perdão por não encontrar tempo para fazer um estudo detalhado de cada candidato.
Não esqueçamos que nosso combate é sobretudo espiritual, ou seja, "contra os espíritos malignos que povoam os ares" (Ef 6, 12). Recorramos aos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael, cuja festa celebramos hoje. Recorramos Maria, Rainha dos Anjos, nesta batalha. Lembremos que nossa vitória depende fundamentalmente da oração perseverante e confiante.

De qualquer forma, embora de maneira incompleta, desejo deixar aqui algumas pistas.
1. A primeira delas é excluir todos os candidatos cujo partido é comprometido com o aborto. Excluem-se assim todos os candidatos do PT e do PV, além de outros partidos: PPS, PCdoB, PCO, PSOL.
2. Feita essa primeira triagem, deve-se pesquisar como foi o passado do candidato. Vejamos por exemplo:
a) como ele votou em 07/05/2008 o PL 1135/91 (liberação do aborto) na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados. Lá o projeto foi derrotado por 33 votos contra zero.
b) se ele assinou o Recurso 0201/08, solicitando que o PL 1135/91, já derrotado em duas Comissões, não fosse imediatamente arquivado, mas tivesse ainda que passar pelo plenário da Câmara. Foram 66 as assinaturas que lamentavelmente impediram o fim do pesadelo abortista.
c) se ele está entre os que assinaram uma proposta de emenda à Constituição que permitiria dar ao presidente Lula um terceiro mandato. Graças a Deus, a PEC não foi apreciada por insuficiência de assinaturas. Mas foram 166 os que a assinaram.
d) se ele votou a favor da PEC do divórcio instantâneo (PEC 28/2009) em primeiro ou em segundo turno no Senado. Lamentável foi a atuação de Demóstenes Torres (DEM/GO), relator da proposta, que não se curvou diante do apelo insistente dos eleitores em defesa da família.
e) se ele votou a favor do PLC 122/2006 (glorificação do homossexualismo e instauração da perseguição religiosa) na Comissão de Assuntos Sociais do Senado.
f) se ele votou contra o Estatuto do Nascituro na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados.
g) se ele está entre os candidatos oficialmente comprometidos com a promoção do homossexualismo, (clique em "Eleições 2010").
3. Somente depois de examinado o passado, tem algum valor examinar os compromissos com o futuro. Não adianta, por exemplo, a um candidato petista (que, por ser candidato petista, está comprometido com o aborto) assinar um termo de compromisso "em defesa da vida".
4. Há alguns candidatos que tem um passado marcado por ativa e frutuosa militância pró-vida. É nosso dever fazer de tudo para que sejam eleitos ou reeleitos:
Para Senador:
RJ - Carlos Dias -PT do B
MG - Miguel Martini - PHS

Para Deputado Federal:
DF - Paulo Fernando - PTB
SP - Professor Hermes - PHS

5. Na falta de um candidato satisfatório, não convém anular o voto. Se votarmos naquele que causa menor dano, poderemos evitar que uma dano maior seja causado. Lembremos as palavras de Dom Manoel Pestana relativas a escolher entre um "incêndio limitado" e uma "catástrofe incontrolável".

Desculpem-me se não soube responder a todas as dúvidas.
Vamos continuar perseverantes no Terço da Misericórdia e em um Rosário completo a cada dia.

Doce Coração de Maria, sede a nossa salvação!



quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Bispos advertem sobre o PT

Ontem, 14 de setembro, festa da Exaltação da Santa Cruz, lembrei-me da inteção de Lula e Dilma de retirar as imagens de Cristo crucificado das repartições públicas (talvez para substituí-las por estrelas vermelhas com cinco pontas...)
Hoje, 15 de setembro, memória de Nossa Senhora das Dores, lembrei-me do quanto Ela sofreu por nós junto com seu Filho e pedi pelo Brasil. Há exatamente 21 anos eu me consagrava a Ela na qualidade de escravo, segundo o método de São Luís Maria Grignion de Montfort.



A perseverança na oração é a chave de tudo. Enquanto não desistirmos de rezar, teremos segurança.
Encaminho dois documentos importantes. O primeiro é de autoria dos Bispos do Regional Sul 1 (Estado de São Paulo) "dando nome aos bois" ao orientar os eleitores. O segundo é do Bispo Emérito de Anápolis Dom Manoel Pestana, referindo-se a José Serra, não como o "menor mau", mas como um "incêndio limitado" comparado à "catástrofe incontrolável" de Dilma-PT.
A orientação de Dom Pestana é importante para aqueles que, inconformados com todos os candidatos, pensam em anular seu voto.


Bispos advertem eleitores sobre o PT

(e pedem ampla divulgação de seu apelo)

Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, Bispo de Guarulhos (SP), não está sozinho em sua recomendação de não votar em Dilma Roussef[1]. Desta vez o Regional Sul 1 da CNBB (que inclui todas as dioceses do Estado de São Paulo) aprovou e recomendou a “ampla difusão” do documento “Apelo a todos os brasileiros e brasileiras”. O texto recomenda que os cidadãos “deem seu voto somente a candidatos ou candidatas e partidos contrários à descriminalização do aborto”. Antes, porém, em seus vários “considerando”, o documento relata vários fatos que comprovam a ligação entre o Partido dos Trabalhadores (PT) e sua candidata com a causa pró-aborto.

O Arcebispo de Belém do Pará Dom Alberto Taveira Correia em 27/08/2010 resolveu divulgar o texto do Regional Sul 1 “sugerindo que muitas outras pessoas o façam[2].

NOTA DA COMISSÃO EPISCOPAL REPRESENTATIVA DO CONSELHO EPISCOPAL REGIONAL SUL 1 – CNBB[3]

A Presidência e a Comissão Representativa dos Bispos do Regional Sul 1 da CNBB, em sua Reunião ordinária, tendo já dado orientações e critérios claros para “VOTAR BEM”, acolhem e recomendam a ampla difusão do “APELO A TODOS OS BRASILEIROS E BRASILEIRAS” elaborado pela Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 que pode ser encontrado no seguinte endereço eletrônico “www.cnbbsul1.org.br”.

São Paulo, 26 de Agosto de 2010.

Dom Nelson Westrupp, scj

Presidente do
CONSER-SUL 1

Dom Benedito Beni dos Santos

Vice-presidente do
CONSER-SUL 1

Dom Airton José dos Santos

Secretário Geral do
CONSER-SUL 1

APELO A TODOS OS BRASILEIROS E BRASILEIRAS

Nós, participantes do 2º Encontro das Comissões Diocesanas em Defesa da Vida (CDDVs), organizado pela Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB e realizado em S. André no dia 03 de julho de 2010,

- considerando que, em abril de 2005, no IIº Relatório do Brasil sobre o Tratado de Direitos Civis e Políticos, apresentado ao Comitê de Direitos Humanos da ONU (nº 45) o atual governo comprometeu-se a legalizar o aborto,

- considerando que, em agosto de 2005, o atual governo entregou ao Comitê da ONU para a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (CEDAW) documento no qual reconhece o aborto como Direito Humano da Mulher,

- considerando que, em setembro de 2005, através da Secretaria Especial de Política das Mulheres, o atual governo apresentou ao Congresso um substitutivo do PL 1135/91, como resultado do trabalho da Comissão Tripartite, no qual é proposta a descriminalização do aborto até o nono mês de gravidez e por qualquer motivo, pois com a eliminação de todos os artigos do Código Penal, que o criminalizam, o aborto, em todos os casos, deixaria de ser crime,

- considerando que, em setembro de 2006, no plano de governo do 2º mandato do atual Presidente, ele reafirma, embora com linguagem velada, o compromisso de legalizar o aborto,

- considerando que, em setembro de 2007, no seu IIIº Congresso, o PT assumiu a descriminalização do aborto e o atendimento de todos os casos no serviço público como programa de partido, sendo o primeiro partido no Brasil a assumir este programa,

- considerando que, em setembro de 2009, o PT puniu os dois deputados Luiz Bassuma e Henrique Afonso por serem contrários à legalização do aborto,

- considerando como, com todas estas decisões a favor do aborto, o PT e o atual governo tornaram-se ativos colaboradores do Imperialismo Demográfico que está sendo imposto em nível mundial por Fundações Internacionais, as quais, sob o falacioso pretexto da defesa dos direitos reprodutivos e sexuais da mulher, e usando o falso rótulo de “aborto - problema de saúde pública”, estão implantando o controle demográfico mundial como moderna estratégia do capitalismo internacional,

- considerando que, em fevereiro de 2010, o IVº Congresso Nacional do PT manifestou apoio incondicional ao 3º Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH3), decreto nº 7.037/09 de 21 de dezembro de 2009, assinado pelo atual Presidente e pela ministra da Casa Civil, no qual se reafirmou a descriminalização do aborto, dando assim continuidade e levando às últimas consequências esta política antinatalista de controle populacional, desumana, antissocial e contrária ao verdadeiro progresso do nosso País,

- considerando que este mesmo Congresso aclamou a própria ministra da Casa Civil como candidata oficial do Partido dos Trabalhadores para a Presidência da República,

- considerando enfim que, em junho de 2010, para impedir a investigação das origens do financiamento por parte de organizações internacionais para a legalização e a promoção do aborto no Brasil, o PT e as lideranças partidárias da base aliada boicotaram a criação da CPI do aborto que investigaria o assunto,

RECOMENDAMOS encarecidamente a todos os cidadãos e cidadãs brasileiros e brasileiras, em consonância com o art. 5º da Constituição Federal, que defende a inviolabilidade da vida humana e, conforme o Pacto de S. José da Costa Rica, desde a concepção, independentemente de sua convicções ideológicas ou religiosas, que, nas próximas eleições, deem seu voto somente a candidatos ou candidatas e partidos contrários à descriminalizacão do aborto.

Convidamos, outrossim, a todos para lerem o documento “Votar Bem” aprovado pela 73ª Assembléia dos Bispos do Regional Sul 1 da CNBB, reunidos em Aparecida no dia 29 de junho de 2010 e verificarem as provas do que acima foi exposto no texto “A Contextualização da Defesa da Vida no Brasil” (http://www.cnbbsul1.org.br/arquivos/defesavidabrasil.pdf), elaborado pelas Comissões em Defesa da Vida das Dioceses de Guarulhos e Taubaté, ligadas à Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB, ambos disponíveis no site desse mesmo Regional.

COMISSÃO EM DEFESA DA VIDA DO REGIONAL SUL 1 DA CNBB

Serra, um “incêndio limitado”

Neste momento, muitos perguntam em quem votar para Presidente da República. Dilma Roussef (PT) e Marina Silva (PV) pertencem a partidos explicitamente comprometidos com o aborto. O partido de José Serra (PSDB) não é abortista, mas o candidato assinou, em novembro de 1998, quando era Ministro da Saúde, uma Norma Técnica que instituiu a prática do aborto no Sistema Único de Saúde em nível federal, para crianças de até cinco meses supostamente concebidas em um estupro. A introdução oficial do financiamento do aborto pelo SUS é uma mancha no histórico de Serra que escandaliza muitos eleitores.

Sem negar a gravidade do ato praticado pelo então Ministro, o Bispo Emérito de Anápolis Dom Manoel Pestana Filho afirma que votar em Serra seria escolher um “incêndio limitado” em vez de uma “catástrofe incontrolável”. O Bispo acredita que as raízes cristãs de Serra – que já foi simpatizante da Juventude Universitária Católica (JUC) – não o deixarão “ir tão longe e tão fundo”. Crê ainda que haja esperança de conversão para esse candidato, esperança essa que absolutamente não existe para Dilma e Lula.

De fato, Serra nunca foi um “militante” abortista. A Norma por ele assinada, por abominável que seja, não foi de sua autoria. Já estava elaborada por militantes pró-aborto quando ele assumiu o Ministério da Saúde. Como Ministro, ele deixou-se enganar pela falácia de que no Brasil o aborto é “legal” quando a gravidez resulta de estupro, confundindo assim a não aplicação da pena (“não se pune...”) com a licitude da conduta (art. 128,II, CP). Nada disso justifica o que ele fez, mas serve como atenuante. Ao contrário, não encontramos nada de atenuante na política “furiosamente abortista” dos dois governos Lula.

Leiamos a mensagem de 25/08/2010 enviada por Dom Pestana a José Serra com o título sugestivo “Carta de apoio eleitoral”:

Caro Serra,

Conheci o Sr. jovem ainda, simpatizante da JUC, num encontro em SP. Parecia-me inclinado à esquerda, um pouco deslumbrado, mas confiável. Acima de tudo com raízes cristãs. Lá estava também, se bem me lembro, o Plínio de Arruda Sampaio.

Eu era uma figura discreta, de batina preta, sonhando no inicio do sacerdócio com dedicar-me ao trabalho de formação de líderes cristãos, capazes de pesar positivamente no futuro da Igreja e da Pátria. Tempo de belos sonhos, ainda muito ingênuos mas decididos.

Mais tarde, encontrei-o poucas vezes, antes de vê-lo em Brasília, no Ministério da Saúde, quando protestava contra a sua Portaria que abria a porta ao aborto “legal” (!)[4].

Pudemos nos ver em Anápolis, na inauguração da Universidade de Goiás, quando ameaçou, em alta voz, prender o Pe. Lodi na sua campanha heróica.

Agora estamos diante de uma encruzilhada trágica, entre o PT, furiosamente abortista e desabridamente amoral, e a sua posição também sanguinária, mas por enquanto mais comedida, porque creio que a sua história e as suas raízes não o deixarão ir tão longe e tão fundo.

Agora não se trata de escolher o menor mal, mas entre uma catástrofe incontrolável e um incêndio limitado.

Penso que os responsáveis entre nós por essa avalanche continental da esquerda revanchista, pelo menos rezem (Oxalá ainda se lembrem de rezar!), para que o Serra se converta porque com Dilma e Lula não creio haver a mínima esperança de conversão.

Assim, ao menos a maldição do aborto não se perpetue com o desmantelamento da moral e possamos voltar a tempos melhores, que não me parece que mereçamos, devido ao nosso arrefecimento religioso e à busca desenfreada e imoral de vantagens, com toda espécie de capitulações traidoras.

Resolvi escrever estas linhas devido à minha preocupação pelo futuro desta Pátria tão cheia de maravilhas, talvez um gigante ainda adormecido em berço esplêndido, mas que poderá conhecer dias melhores se tiver filhos dignos, que saibam defender a vida em todos os momentos.

Dom Manoel Pestana Filho

Bispo Emérito de Anápolis – Goiás


[1] Cf. “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”, 29 jul. 2010, in: http://www.diocesedeguarulhos.org.br/miolo.asp?fs=menu&seq=701&gid=10

[2] Cf. http://blog.cancaonova.com/felipeaquino/2010/08/30/em-defesa-da-vida-humana/

[3] Cf. http://www.cnbbsul1.org.br/index.php?link=news/read.php&id=5742

[4] Foi em 09/11/2001, na “Marcha contra o terror no SUS”, por ocasião do terceiro aniversário da Norma Técnica do aborto.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Dilma favorável ao aborto

Como detectar a linguagem de alguém favorável ao aborto?
Eis alguns sinais:
1) A pessoa começa dizendo que "nenhuma mulher acha o aborto uma maravilha". Isso porque o aborto é uma "agressão ao corpo da mulher" (não à criança).
2) Depois diz que, do ponto de vista do governante, "o aborto é uma questão de saúde pública" (a saúde que conta não é a do bebê, é claro).
3) Então lamenta que haja mulheres pobres que sofram por fazer aborto com métodos "inadequados" enquanto as mulheres ricas podem abortar em condições "seguras" (seguras não para o filho, é claro).
4) Reafirma que uma parte da população não tem acesso ao "serviço" de aborto e sofre discriminação. Por isso, quer uma legislação que obrigue a dar "atendimento" às mulheres que queiram fazer aborto, a fim de que não corram risco de vida, como nos países "desenvolvidos".
5) Em suma: deseja pura e simplesmente que as mulheres pobres possam matar seus filhos de maneira tão "segura" quanto as mulheres ricas o fazem.
Assista agora a um vídeo de quem fala tudo isso.
A comédia termina com a pessoa dizendo que é "cristã" e "católica".


Ela é candidata à presidência pelo PT. Você vai votar nela?

Conclamação - Todos em oração.

(baixe o vídeo em https://drive.google.com/open?id=1u7P0EdF03xn0o2zvJyS088xxNZtTTTcu) [https://www.youtube.com/watch?v=_NeeFPa7Lus] ...