Júlia, criança anencéfala

Com a proximidade da sessão em que o Supremo Tribunal Federal votará a ADPF 54 (aborto de anencéfalos), convém assistir ao comovente depoimento dos pais de Júlia, uma criança anencéfala nascida em Anápolis (GO) em 04/03/2010. Batizei-a logo após o parto. A mãe foi trazida em uma maca para se despedir de sua filha, conforme desejava. A criança morreu cerca de uma hora após o nascimento. Sabiamente, os pais de Júlia tomaram a decisão de amá-la até o último momento, rejeitando a "solução" do aborto que lhes foi proposta.

Júlia, a anencéfala que deixou saudades (primeira parte)


Júlia, a anencéfala que deixou saudades (segunda parte)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma proposta de emenda à Constituição

NOTA SOBRE MINHA CONDENAÇÃO POR DANOS MORAIS NO STJ

Curso de extensão em Bioética na Católica de Anápolis